Fluxo de caixa Otimize Consultoria

Boas práticas para gestão do fluxo de caixa

Primeiramente é necessário entendermos o conceito de fluxo de caixa. Esta é uma ferramenta de controle financeiro que busca trazer uma maior clareza sobre as entradas e saídas de dinheiro da empresa além disso vale ressaltar que existem vários tipos de fluxo de caixa, cada um com uma forma de utilização, são eles:

I. Operacional

Busca trazer o fluxo gerado pela receita e despesa de uma empresa, durante um período de tempo. A fim de entendermos o capital de giro. É a forma mais simples de monitorar o caixa, porém deve ser ressaltado que apesar de uma boa estratégia ela não leva em consideração investimentos. por fim ele também não mostra a necessidade da empresa aumentar o capital de giro.

II. Direto

Este busca registrar as entradas e saídas, sem levar em consideração descontos, dessa maneira trazendo uma maior visibilidade de capital bruto. Dessa forma é muito indicado para empresas que já possuem um software de gestão financeira, pois os dados ficam visíveis em tempo real.

III. Indireto

A princípio a diferença entre o fluxo de caixa direto e indireto é que o indireto não se baseia somente nas análises de fluxo de caixa. Ou seja, a análise é realizada sobre os lucros e prejuízos, que constam em sua Demonstração de Resultados de Exercício (DRE).Inicialmente, para elaborar esse tipo de fluxo de caixa é necessário entender os balanços patrimoniais do início ao fim do período em análise.

IV. Projetado

Este busca trazer uma estimativa (projeção como o nome já deixa indicado), dos pagamentos, recebimentos e investimentos para expansão, dessa forma trazendo uma maior organização para a empresa.

V. Livre

Você quer saber a capacidade do seu negócio gerar capital em curto, médio e longo prazo? O fluxo de caixa livre tem essa intenção, comparando com o fluxo operacional ela busca trazer o saldo como resultado da análise.

VI. Descontado

Este fluxo de caixa, muitas vezes retratados pela sigla FDC, tem por objetivo trazer uma maior clareza após a aquisição de investidores ou em capital investido, posto que o fluxo de caixa determina o valor de uma empresa e geralmente é utilizado no processo de compra, venda ou fusões de uma empresa.

VII. Investimentos

Para que esse fluxo de caixa possua um bom funcionamento ele precisa estar bem alinhado com todas as movimentações financeiras da empresa. Por isso é nesse fluxo que muitas empresas veem as oportunidades de crescimento que buscaram durante a execução do seu planejamento estratégico.

Quais as boas práticas para uma boa gestão?

Já vimos que o FC possui muitas aplicações e é uma ferramenta bastante completa todavia é importante salientar que por si só o FC não demonstrará resultados. É necessário que haja uma série de práticas para que a ferramenta possa trazer os resultados esperados. Assim, traremos as principais práticas que você deve manter.

Mantenha o controle sobre entradas e saídas

Inegavelmente não há fluxo de caixa que funcione sem um controle rigoroso sobre suas entradas e saídas. Portanto é necessário que ao criar listas de compras haja, naturalmente, uma análise aprofundada de como aquilo se comportará em seu fluxo. Analogamente a categorização de gastos e custos da empresa, e também as fontes de entrada de renda em sua empresa auxiliarão bastante.

Atualizações periódicas

Faz-se necessário a atualização periódica do fluxo, ou seja caso a empresa irá fazer uma compra para abastecer o estoque é necessário uma atualização de saída. Semelhantemente se houve entrada de dinheiro a empresa também precisa atualizar constantemente. Aqui notamos a necessidade da automação desse processo para que ele traga o resultado mais preciso possível.

Definição de despesas fixas e periódicas

Semelhantemente ao que foi retratado no primeiro ponto a categorização aqui também deve existir, porém com custos fixos e custos periódicos. Dessa maneira, a ferramenta entenderá como fazer as projeções já baseado nos critérios fixos. Adicionalmente você entenderá como se planejar para os meses seguintes .

Mantenha relatórios periódicos

Por fim, é natural para que haja um maior entendimento sobre o fluxo isso esteja decorrido de uma maneira de fácil entendimento. Analisar indicadores é uma habilidade muito versátil. Todavia ao se falar de fluxo é necessário que a absorção seja rápida e prática. Ao redigir um relatório com indicadores você alcança isso. Analogamente faz se necessário definir a periodicidade, assim empresa poderá se preparar muito melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *